O que é um síndico profissional? O que ele faz?

o-que-e-um-sindico-profissional-o-que-ele-faz

Nos últimos anos o síndico profissional ganhou mais espaço no mercado de administração de condomínios. Um dos principais fatores para esse fenômeno é a necessidade de os condomínios terem uma gestão eficiente. Que seja profissionalizada e especializada em um setor de tamanha complexidade administrativa.

A figura do síndico profissional surge como alternativa para que os condomínios tenham maior eficiência e transparência na sua gestão. Além disso, e em simultâneo, ter uma conduta imparcial nas ações.

Ou seja, evitar que o relacionamento pessoal no dia a dia da vida condominial interfira nas decisões que devem ser tomadas.

Por esse motivo, vamos explicar nesse artigo tudo que você precisa saber sobre:

– O que é um síndico profissional,

– O que ele faz e como trabalha,

– Principais diferenças entre ele e o síndico morador,

– Quem contrata o síndico profissional

– Quem pode ser síndico profissional

 

O que é um síndico profissional?

O síndico profissional é um gestor contratado por um condomínio para administrá-lo sem, contudo, precisar morar no condomínio. Ele é escolhido em assembleia para gerir o condomínio.

E exatamente por não ser morador que o síndico profissional possui mais liberdade e autonomia para tomar as suas próprias decisões, visando o interesse do condomínio.

Ainda, é treinado para lidar com as dificuldades de um condomínio. E deve ter qualidades que o tornem apto a exercer a função.

Sabia que já existe curso específico para síndicos profissionais?

 

O que faz um síndico profissional e como ele trabalha?

A própria legislação, código civil, estabelece algumas funções para o síndico, seja ele profissional ou morador.

Outras são específicas de cada prédio, de acordo com cada realidade. Por isso, é essencial que o síndico conheça bem o que está disposto na lei e as necessidades do condomínio.

Dentre as atividades dos síndicos profissionais, destacamos:

  1. Convocação de assembleias e reuniões;
  2. Cumprir e fazer cumprir a convenção do condomínio, o regimento interno e as decisões das assembleias;
  3. Coordenar a equipe de colaboradores e contratar funcionários e empresas terceirizadas;
  4. Fiscalizar o pagamento das cotas condominiais e a inadimplência dos moradores;
  5. Representar o condomínio judicial e extrajudicialmente;
  6. Garantir a organização, preservação e manutenção das áreas comuns do condomínio;
  7. Organizar o cronograma de obras e reformas;
  8. Lidar com as demandas dos condôminos e mediar os conflitos.

 

Essas não são todas as funções do síndico, mas são as principais e as mais comuns. Alguma outra função pode ser incluída no contrato do síndico, mas são questões pontuais. Dependem da realidade de cada condomínio e do modelo de gestão.

Como o síndico profissional trabalha?

Atuar como síndico profissional não precisa ser presencial. Pelo menos não diariamente, já que a parte burocrática pode ser feita de maneira remota.

Entretanto, a situação ideal é que o síndico compareça ao condomínio uma ou duas vezes por semana. Assim, pode fiscalizar o trabalho dos colaboradores e conversar com os moradores.

 

Principais diferenças entre o síndico morador e o profissional.

Podemos apontar algumas diferenças entre o síndico profissional e o síndico morador.

Elas não significam que uma opção é necessariamente melhor do que a outra. Apenas que uma modalidade de síndico atende as necessidades do condomínio melhor do que a outra.

As principais diferenças são que o síndico profissional é especializado. Portanto, tem qualificação para a função. A atividade ainda não é regulamentada no Brasil, mas geralmente esses profissionais fazem cursos de especialização.

O síndico morador, por sua vez, precisa apenas ser morador do prédio e ter interesse e disposição em assumir a incumbência no condomínio onde mora. Não é necessário fazer curso ou comprovar experiência, ou capacitação.

Uma diferença também é que a figura do síndico profissional é de alguém impessoal, sem envolvimento emocional com os moradores. Deve ter uma relação de cordialidade com os condôminos e colaboradores.

Dessa forma, o síndico profissional é preparado para resolver os conflitos sem tomar partido de um lado ou outro.

Outra diferença é que o contrato do síndico profissional geralmente tem 2 anos de duração, enquanto o síndico morador é normalmente eleito anualmente.

A última diferença que iremos apontar é que o síndico morador nem sempre é remunerado, ficando, muitas vezes, apenas isento do pagamento da cota condominial. Já o síndico profissional recebe remuneração para exercer o cargo.

 

Quem contrata o síndico profissional?

Tanto o síndico morador quanto o profissional são escolhidos pela maioria dos moradores, em Assembleia. A diferença é que o morador é eleito, enquanto o profissional é contratado.

É necessária a formalização da contratação. Além de constar em ata a qualificação do profissional escolhido, deve ser elaborado um contrato de prestação de serviços. Uma vez que esta é a natureza do serviço prestado por ele.

Nesse caso, surge um impasse, pois o síndico será o contratado, enquanto o contratante será o condomínio.

Mas, como é o síndico quem responde pelo condomínio, a dúvida que impera é:

Quem assina o contrato representando o condomínio?

A resposta é simples: basta que a mesma Assembleia que escolheu o profissional escolha também um dos condôminos para assinar o contrato.

 

Quem pode ser síndico profissional?

Ainda não existe, em nosso país, regulamentação para exercer a função de síndico profissional. Por isso, geralmente os profissionais fazem apenas um curso de capacitação.

Pode, via de regra, ser qualquer pessoa, mas é imprescindível que tenha algumas habilidades, como:

  1. Conhecimentos na área de administração, contabilidade, direito, dentre outras áreas;
  2. Organização e disciplina para a realização do trabalho;
  3. Boa comunicação para estabelecer um relacionamento eficaz com colaboradores e moradores;
  4. Inteligência emocional e capacidade de lidar com problemas e buscar a solução de conflitos.

 

A profissionalização da função de síndico traz maior eficiência à gestão dos recursos do condomínio e evita desgaste emocional dos moradores. Essa é a importância de se ter um síndico profissionalizado.

Os condomínios que escolhem essa modalidade de administração, geralmente possuem como objetivo uma gestão mais profissional. Uma gestão realizada de maneira mais isenta, sem envolvimento emocional com os condôminos.

Conclusão

A profissão de síndico vem ganhando relevância no mercado. É uma opção que vem sendo cada vez mais usada pelos condomínios, sempre em busca de uma gestão mais eficiente.

Mais ainda, ela não impede a presença de uma administradora de condomínios. Muitos condomínios possuem ambos trabalhando juntos.

Mesmo não sendo obrigatória a formação para exercer a profissão, o mercado vem exigindo cada vez mais profissionais qualificados para a gestão de condomínios.

Como resultado, profissionais de outros segmentos passaram a olhar para esse mercado. Dependendo do tamanho da carteira, o salário de um síndico profissional equivale ou supera a média salarial outras profissões.

Por isso, advogados, engenheiros, administradores, todos começam a enxergar oportunidades como síndicos profissionais.

 

A Habitacional é uma administradora de condomínios em SP com muita experiência em trabalhos conjuntos com síndicos profissionais. Entende bem quais as necessidades e como se relacionar neste modelo de administração de condomínios. Trabalhamos para atender bem as necessidades dos condomínios.

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Redes Sociais

Posts recentes

Siga-nos